SOBREIRO

31419.jpg

A cortiça, para além do papel representativo na economia portuguesa, é uma mais-valia ecológica pela sua combustão lenta.

(Quercus Suber)

ORIGEM: Sul da Europa e Norte de África

PORTE: < 25 m

FLORAÇÃO: Março – Julho (folha persistente)

FRUTO: Setembro – Novembro ( a partir dos 10 - 12 anos; com regularidade após os 25.)

HABITAT: de raízes profundas, prefere solos soltos e permeáveis em ladeiras pouco elevadas (<1200m), protegidas dos ventos do norte e sem geadas, com climas algo húmidos pela proximidade ao mar.

*DESCORTIÇAMENTO: < 25 anos, ou quando a árvore atinja os 70 cm de perímetro medidos a 1,3m do solo. Volta repetir-se o mesmo processo passados 9 anos. Podendo ser descortiçado cerca de 17 vezes (em 150 de vida).

*

História

Representando anualmente mais de 700 milhões de euros da exportação portuguesa, a cortiça é o maior atractivo desta espécie. Emprega-se na construção, na industria vinícola, no mobiliário, etc. Da primeira e segunda desboias (termo utilizado para o descortiçamento) obtém-se cortiça dura e irregular, difícil de trabalhar usada para pavimentos, objectos decorativos, etc. Só a partir da 3ª desboia se obtém uma cortiça para a elaboração de rolhas de qualidade. Para além da casca, o seu fruto - as bolotas, tal como os Carvalhos - são utilizadas na alimentação de animais e extracção de óleos vegetais. A madeira é utilizada para lenha e carvão vegetal, assim como para a extração de taninos utilizados, por exemplo, na cosmética.

CARVALHO ALVARINHO

c912b843cea40bea239bd0b318c6eac1--vintage-botanical-illustration-botanical-drawings.jpg

Muito frequente da flora portuguesa, tem uma grande importância para a protecção dos solos e desenvolvimento económico.

(Quercus Robur)

ORIGEM: Europa, característica da flora Portuguesa

PORTE: 20 – 40 m

FLORAÇÃO: Abril – Maio

FRUTO: Setembro – Outubro (após os 60 anos)

HABITAT: matas de clima temperado com influência climática atlântica, baixa altitude (< 1000m). As suas raízes profundas oferecem óptima resistência ao vento.

*

A designação latina Robur indica madeira dura e resistente ­- utilizada durante séculos na construção civil e naval, sendo por isso muito procurada. Cria um tipo de carvalhal de elevada riqueza faunística, essencial à conservação dos ecossistemas (abrigo e alimento). Notável pela sua longevidade e excelente capacidade de criar solos.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                  

                                                                                                                                     

CASTANHEIRO

NOVO1 - copia.jpg

Pelo seu fruto e combustão lenta, é apreciado enquanto alimento e fonte de rendimento, bem como na protecção da fauna e flora.

(Castanea Sativa)

ORIGEM: Balcãs, Ásia Menor, Cáucaso, C e W da Europeu, Mediterrâneo

PORTE: < 25 m

FLORAÇÃO: Maio -  Junho

FRUTO: Setembro – Outubro

HABITAT: Solos húmidos e soltos, de clima temperado (< 1300 m) com uma profundidade mínima de 50 cm;

*

Espécie de grande longevidade (até 1000 anos) e pouco comburente. Da produção de Castanha (grande parte exportada), pode também obter-se açucar, álcool, e taninos das folhas. A madeira de castanho é uma matéria prima apreciada na construção civil e em outros sectores por ser fácil de trabalhar (serrar, polir, tingir, etc.) e pela resistência a intempéries. Os Soutos podem conviver com a produção agrícola, bem como outras espécies resinosas e folhosas.